Fauna News

Buscar

banner_20-08-2014.gif

Terça-Feira, 23 DE Junho DE 2015

Nova soltura de papagaios-de-peito-roxo em SC

A pequena Mamalê, filhote resgatada em Ponte Serrada (SC), aproveitando a liberdade“A população de papagaios-do-peito-roxo quase dobrou no Parque Nacional das Araucárias, em Passos Maia e Ponte Serrada, neste início de mês de junho, com a terceira soltura de animais, que ainda está em andamento.

Desde o dia 2 de junho especialistas e voluntários do Instituto Espaço Silvestre, uma organização não-governamental, estão monitorando 33 animais que estão sendo reintroduzidos em seu habitat. A ação faz parte do projeto de Reintrodução do papagaio-do-peito-roxo no Parque Nacional das Araucárias, uma área de conservação de 12,8 mil hectares, no Oeste Catarinense.

A primeira soltura, de 13 animais, foi em 2011. A segunda foi em 2012, com 30 animais. Com a atual, serão 76 papagaios.

De acordo com a diretora técnica da ONG e doutora em Comportamento e Bem Estar Animal, Vanessa Tavares Kanaan, a espécie já estava extinta no parque, pela ação humana. Os foram capturados para servir como animais de estimação, o que é proibido por lei.

- A espécie foi considerada extinta durante vinte anos - afirmou Vanessa.”
– texto da matéria “Papagaios-de-peito-roxo são reintroduzidos em Parque no Oeste”, publicada em 9 de junho de 2015 pelo site do jornal Diário Catarinense

Solturas feitas com responsabilidade são trabalhosas e precisam de conhecimento técnico para obterem sucesso.

Para retornar à vida livre o caminho é longo e nem todas as aves conseguem trilhá-lo. Depois da seleção dos papagaios (a maioria foi apreendida em ações contra o tráfico de animais, seis vieram do Zoológico de Curitiba e uma era um filhote que se perdeu da família e foi resgatado em Ponte Serrada), eles passam por exames clínicos e laboratoriais, para, em seguida, começarem a ser adaptados à dieta disponível na floresta.

Outra atividade é a preparação comportamental, que inclui, por exemplo, a busca de alimentos, a capacitação para o voo, a interação social e a resposta à presença de predadores.  Essa etapa dura, em média, quatro meses e inclui um dos condicionamentos mais importantes para os papagaios: evitar humanos e assim reduzir as chances de nova captura. A ideia é desassociar a presença de gente a carinho ou alimento e relacionar com estímulos desagradáveis, como sustos.

A última etapa é a ambientação dos papagaios no parque, que ocorre em um recinto construído em um trecho de floresta em estágio médio e avançado de regeneração.  A área é caracterizada pela abundância de árvores com cavidades naturais (Ocotea porosa, a imbuia) e alimentação ideal (frutos, flores, folhas e sementes como de araucária no inverno).

A espécie estava extinta do Parque Nacional das Sraucárias (SC)

E o trabalho não acaba com a soltura. Pelo contrário: começa o monitoramento.

“Foram instalados colares com radiofrequência em cada. Os moradores próximos ao Parque também foram orientados a anotar quando avistam os papagaios.

- Depois recolhemos o dados que vão nos ajudar a identificar os hábitos dessa população - afirmou Vanessa.”
– texto do jornal Diário Catarinense

O Brasil precisa de muita seriedade no trato da fauna. Que o projeto do Instituto Espaço Silvestre sirva de exemplo.

- Leia a matéria completa do Diário Catarinense
- Conheça o Instituto Espaço Silvestre

 

Postado por Dimas Marques às 00:00

Deixe seu comentário

comentários por Disqus

Artigos relacionados