Fauna News

Buscar

banner_20-08-2014.gif

Quinta-Feira, 02 DE Julho DE 2015

Se cada um fizer um pouco...

União, Estados, Municípios e o Distrito Federal têm obrigações na gestão da fauna silvestre. Apesar de a Lei Complementar 140, de 2011, determinar quais são as competências de cada um no sistema de proteção ao meio ambiente, não há definições claras sobre quem deve ser o responsável (ou responsáveis) por cuidar dos animais resgatados; criando e gerenciando Centros de tiragem e recuperação de animais silvestres (Cetas e Cras) – mesmo que o Ibama esteja passando a gestão da fauna silvestre para os Estados e, com isso, deixando para eles a responsabilidade por tais escassos centros.

Mas, quando cada um faz um pouco, o resultado ajuda ao conjunto, isto é, ao Brasil. É o que está acontecendo em Três Lagoas (MS).

Capivara sendo atendida no CCZ de Três Lagoas“Desde abril, o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) realiza em parceria com a Polícia Militar Ambiental (PMA) o trabalho de primeiro atendimento aos animais socorridos em situações de risco.

Segundo o coordenador do centro, Cristóvão Bazan, os animais recebem o primeiro atendimento no CCZ do Município e depois, são encaminhados para o Centro de Recuperação Animal (CRAS), em Campo Grande. “Geralmente são animais que estão em alguma situação de risco, como por exemplo, que apresenta algum ferimento após serem atropelados ou entraram em alguma residência”, disse.

Segundo o coordenador, desde que o trabalho teve início dos sete animais que receberam os primeiros atendimentos pelo CCZ, quatro sendo uma capivara, um pato, um tucano e um gambá sobreviveram e foram encaminhados aos Cras de Campo Grande.”
-  texto da matéria “CCZ de Três Lagoas realiza atendimento de animais silvestres em situação de risco”, publicada em 29 de junho de 2015 pelo site da prefeitura de Três Lagoas (MS)

Muitos municípios não têm condições de manter um Cetas ou Cras em sua estrutura. Mas, uma boa parte deles pode colocar seus CCZs para um atendimento emergencial de animais em situação de risco. Para os traficados, por exemplo, é sabido que há uma grande taxa de mortalidade nas primeiras horas após a apreensão. Se algum profissional capacitado, como biólogos e veterinários, atender os bichos rapidamente, as perdas diminuem.

Parabéns a Três Lagoas. Um belo exemplo.

- Leia a matéria completa do site da prefeitura de Três Lagoas
- Conheça a Lei Complementar 140, de 2011

Postado por Dimas Marques às 00:00

Deixe seu comentário

comentários por Disqus

Artigos relacionados