Fauna News

Buscar

banner_20-08-2014.gif

Sexta-Feira, 30 DE Outubro DE 2015

O tráfico de chimpanzés na Guiné e o Brasil

Chimpanzés têm perdido a liberdade para divertir humanos“O tráfico de animais selvagens na Guiné é desenfreado, segundo várias entidades. Um relatório de 2013 da Parceria para a Sobrevivência dos Grandes Símios (Grasp, na sigla em inglês) citou 643 casos documentados de chimpanzés contrabandeados ilegalmente a partir da África entre 2005 e 2011, indo principalmente para zoológicos da China.

O relatório diz que essa cifra representa apenas uma fração do total de chimpanzés capturados na Guiné, já que muitos morrem ao serem caçados ou transportados, ou nunca chegam a ser contabilizados. O estudo estima que o número real de chimpanzés e outros símios capturados ilegalmente no seu habitat natural foi de quase 3.000 por ano.”
– texto da matéria “ONG reúne provas contra traficantes de animais”, publicada em 29 de outubro de 2015 pelo The New York Times no site do jornal Folha de S. Paulo

A falta de fiscalização e legislação para o combate ao tráfico de animais silvestres em muitos países africanos, aliados ao incentivo dado por compradores ricos de outras nações também não comprometidas em acabar com esse tipo de crime, só pode resultar nesse absurdo: três mil símios (gorilas, chimpanzés, bonobos e orangotangos são os chamados grandes símios e os gibões são os símios menores) retirados de seus habitat todos os anos na Guiné.

Bonito e justo: livre!O pior é saber que esses animais vão para zoológicos, ou melhor, para instituições que, com certeza, só estão preocupadas com a exposição dos animais e a promoção de entretenimento para humanos. Tais instituições não podem ser consideradas zoológicos, pois na concepção moderna dessas entidades há um compromisso com a conservação de espécies, seja pela educação ambiental ou por pesquisas e reprodução.

Mas nós, brasileiros, não podemos condenar esses chineses. Por aqui, 38 milhões de animais silvestres são retirados da natureza todos os anos para abastecer o mercado negro de fauna. Desse total, dentre os que não morrem, 60% está destinado para o mercado interno. Isto é, para os próprios brasileiros engaiolarem pássaros, prenderem papagaios em poleiros e macacos em correntes.

Estamos fazendo o mesmo por aqui.

- Leia a matéria completa do The New York Times

Postado por Dimas Marques às 06:00

Deixe seu comentário

comentários por Disqus

Artigos relacionados