Fauna News

Buscar

banner_20-08-2014.gif

Quarta-Feira, 13 DE Abril DE 2016

Olha o Bicho! - Rã-flecha-azul

Fêmea de rã-flecha-azul

Nome popular: rã-flecha-azul
Nome científico: Dendrobates tinctorius
Estado de conservação: “pouco preocupante” na lista vermelha da IUCN e sem classificação na Lista Nacional Oficial de Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção

O nome popular desta rã chama a atenção. O azul é fácil de entender, sim, ela tem um lindo tom de azul e pode apresentar dois padrões de coloração: ou toda azul com manchas pretas ou com o dorso amarelo e as patas azuis. Mas, e a flecha? De onde vem? Vem do fato do seu veneno ser usado por índios na ponta das flechas utilizadas para a caça. E uma coisa tem tudo a ver com a outra: a sua cor forte é uma estratégia de sobrevivência, uma maneira de alertar os predadores de que ela é venenosa.

Na pele brilhante está a substância tóxica que é produzida a partir de sua dieta insetívora, baseada principalmente em formigas. Tanto que, quando é criada em cativeiro, a rã-flecha-azul tem a sua toxidade diminuída, pois a sua dieta passa a ser diferente daquela tida na natureza.

Com cerca de 6 cm de comprimento, essa pequena rã tem hábitos terrestres e vive na região de riachos rochosos. É encontrada da região amazônica, no norte do Brasil, nas Guianas e no Suriname. Os machos são menores que as fêmeas e as pontas de seus dedos são mais grossas.

A beleza de sua coloração atrai o comércio ilegalOs machos cantam para atrair as fêmeas. Se a fêmea tocar no focinho e nas costas do macho é sinal de que ela aceitou a corte. Os ovos, normalmente de dois a seis, são depositados em um local escondido e úmido e são cuidados pelos pais por um período e 14 a 18 dias, até eclodirem. Aí os girinos são levados nas costas pelos pais até alguma porção de água acumulada entre as folhas de uma bromélia ou de alguma outra planta. Ali eles ficam até completarem a metamorfose e assumirem a forma de vida adulta.

A rã-flecha-azul ainda não é uma espécie ameaçada de extinção. Mas ela é vítima do tráfico de animais silvestres. A beleza de sua coloração atrai criadores e colecionadores que acabam adquirindo espécimes por meio de comércio ilegal.

Postado por Dimas Marques às 00:00

Deixe seu comentário

comentários por Disqus

Artigos relacionados