Fauna News

Buscar

banner_20-08-2014.gif

Quarta-Feira, 08 DE Junho DE 2016

Olha o Bicho! - Curió

Animais da espécie são muito aprecidados por seu canto e, por isso, aprisionados em gaiolas

Por Luciana Ribeiro
lucianaribeiro@faunanews.com.br

Nome popular: curió
Nome científico: Sporophila angolensis
Estado de conservação: sem classificação na lista vermelha da IUCN e na Lista Nacional Oficial de Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção

Curió é um nome de origem tupi (kuri'o) e seu significado é tido como "amigo do homem". Esse passarinho foi assim chamado pelos índios, mas não pode considerar que o homem seja seu amigo. O curió é um dos pássaros mais caçados do Brasil para ser criado em cativeiro. Em Minas Gerais, por exemplo, consta da lista vermelha estadual. Tudo por causa de seu lindo canto. O homem não se contenta em ouvi-lo na natureza, precisa capturar o bichinho, aprisioná-lo em uma gaiola e até fazer campeonatos de canto com ele. Claro que isso leva a um comércio intenso, que fomenta a captura desenfreada e ameaça a espécie, que vê sua população diminuir em seu habitat natural. 

Já o nome científico do curió, Sporophila angolensis, significa aquele que gosta de sementes (do grego sporos, semente, e philos, que gosta, amigo) e que é angolano (do latim angolensis). Só que isso é um equívoco, pois este passarinho é exclusivo da América. Ele é encontrado em todos os países da América do Sul, menos no Chile. No Brasil, ocorre da Amazônia ao Rio Grande do Sul, principalmente nas regiões litorâneas, com forte presença no litoral paulista.

A fêmea é toda pardaCom cerca de 13 cm de comprimento, o curió macho tem a cabeça, o peito, o dorso, as asas e a cauda pretos, enquanto a região abdominal é marrom. O bico e as patas também são negros. Já a fêmea e os jovens apresentam a plumagem inteira parda. Mas o curió se notabiliza mesmo é pelo canto.

Essa ave vive só ou aos pares e se alimenta basicamente de insetos, sementes, em especial a semente do capim navalha. O período de acasalamento vai do fim do inverno até o fim do verão. A espécie faz seu ninho em formato de xícara e põe dois  ovos que eclodem cerca de 13 dias depois da postura. Com um mês de vida, os filhotes já estão prontos para sair do ninho. Só não sabem ainda se terão a felicidade de viver em liberdade ou se serão aprisionados e condenados a viver em um gaiola, participando de campeonatos de canto.

Postado por Dimas Marques às 00:00

Deixe seu comentário

comentários por Disqus

Artigos relacionados