Fauna News

Buscar

banner_20-08-2014.gif

Quarta-Feira, 28 DE Setembro DE 2016

Olha o Bicho! - Gato-mourisco

Animais da espécie são difíceis de serem vistos

Por Luciana Ribeiro
lucianaribeiro@faunanews.com.br

Nomes populares: gato-mourisco, jaguarundi, gato-preto, maracajá-preto
Nome científico: Puma yagouaroundi
Estado de conservação: “pouco preocupante” na lista vermelha da IUCN e não consta da Lista Nacional Oficial de Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção

Apesar de estar na categoria "pouco preocupante" da lista vermelha da IUCN e de não constar da Lista Nacional Oficial de Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção, o gato-mourisco é uma espécie que tem se tornado bastante rara. Há pouco conhecimento sobre ela, tanto no que diz respeito à biologia da espécie e ao padrão de distribuição geográfica, quanto à atual situação de densidade populacional. Mas é fato que a destruição de habitat ameaça o belo jaguarundi.

Este felino ocorre em todo Brasil e pode ser encontrado do sul dos Estados Unidos até o sul da Argentina, com exceção do Chile e do Uruguai. Vive em áreas de mata e capoeirões, com preferência pela mata ciliar de rios, lagos e banhados. É bom nadador e sobe em árvores com facilidade. É um animal solitário, que é visto aos pares somente na época de reprodução. Por ter hábitos diurnos, é um felino facilmente visualizado, só que ele não é abundante em nenhuma região.

Ciência produziu pouco conhecimento sobre a espécieMas se você se deparar com um, vai ser fácil identificá-lo. O gato-mourisco tem o corpo longo, com cerca de 60 cm de comprimento, e delgado, pernas curtas e cauda bem longa, chegando a 45 cm. A cabeça é pequena e achatada, com orelhas curtas e arredondadas. Pesa de 6 kg a 9 kg. Sua coloração vai do preto ao avermelhado, passando pelo castanho escuro.

A fêmea costuma ter de dois a quatro filhotes, depois de uma gestação de cerca de 70 dias. Os gatinhos nascem com pequenas manchas espalhadas pelo corpo que logo desaparecem. A ninhada pode apresentar até três padrões de coloração. Durante um mês, os filhotes são amamentados. Depois disso, os pequenos começam a entrar na dieta carnívora dos adultos, que é composta de roedores, lebres, pequenos macacos, quatis, cotias, aves, répteis, anfíbios e peixes.

Postado por Dimas Marques às 00:00

Deixe seu comentário

comentários por Disqus

Artigos relacionados