Fauna News

Buscar

banner_20-08-2014.gif

Quarta-Feira, 25 DE Janeiro DE 2017

Olha o Bicho! - Sapo-cururu

No período de três meses, um único sapo adulto é capaz de acabar com 10 mil insetos.

Por Luciana Ribeiro
lucianaribeiro@faunanews.com.br

Nome popular: sapo-cururu
Nome científico: Rhinella icterica
Estado de conservação: “pouco preocupante” na lista vermelha da IUCN e não consta da Lista Nacional Oficial de Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção

As pessoas costumam ter medo dele, mas, além de inofensivo, ele é extremamente útil para nós. Em tempos de dengue, zika, chikungunya e febre amarela, o sapo-cururu é uma eficientíssima arma contra os mosquitos. No período de três meses, um único sapo adulto é capaz de acabar com 10 mil insetos. E é por isso que é comum ele aparecer nas nossas casas: a iluminação de ruas e residências atrai muitos insetos, o que é um banquete para os sapos. 

E não é só de mosquitos que o sapo-cururu vive. Ele é um insetívoro que se alimenta também de lesmas e caramujos, pragas em hortas. Até pequenos roedores entram na sua dieta.

Os machos da espécie são menores que as fêmeas. Eles têm cerca de 13 cm, enquanto elas chegam a 18 cm. É um anfíbio de grande porte. Também é possível diferenciar machos de fêmeas pela coloração. Os machos são castanho-alaranjados e as fêmeas são manchadas de preto, branco, cinza e castanho. Como todo sapo, machos e fêmeas têm a pele cheia de verrugas. E como todo anfíbio anuro (sem cauda), adora a umidade, pois precisa manter a sua pele sensível sempre úmida.

Como todo anfíbio anuro, precisa manter a sua pele sempre úmidaO sapo-cururu é encontrado nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, no Paraguai e norte da Argentina. Só que em muitos lugares já é raro ver este anfíbio nativo. Ele procria em lagoas que têm sofrido com poluição e drenagens. 

Na época reprodutiva, o sapo-cururu vai para áreas de lagoas, de águas paradas. A desova é feita em grandes cordões gelatinosos de alguns metros de comprimento com milhares de ovos escuros em áreas rasas da água. Os girinos vivem em grupos..

E sabe aquela história de que não é pra mexer no sapo senão ele faz xixi nos seus olhos? Mentira! Ele libera sim um muco tóxico por glândulas da pele, mas não espirra nada em ninguém e só faz isso como artifício de defesa, quando se sente estressado. Algumas pessoas são sim sensíveis ao contato com essa substância e podem ter irritação na pele, mas nada de mais grave.

Postado por Dimas Marques às 00:00

Deixe seu comentário

comentários por Disqus

Artigos relacionados