Fauna News

Buscar

banner_20-08-2014.gif

Quinta-Feira, 31 DE Janeiro DE 2019

Fauna e Estradas - Vai uma ajudinha aí?

Por Bibiana Terra
Graduada Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente é mestranda junto ao Núcleo de Ecologia de Rodovias e Ferrovias (NERF) da mesma universidade
estradas@faunanews.com.br

Você já ouviu falar em ciência cidadã? É um tipo de ciência em que pessoas de diferentes áreas coletam informações de forma consciente e voluntária sobre diversos assuntos e que vem sendo utilizada para complementação de estudos científicos. Um exemplo muito conhecido no Brasil é o WikiAves, plataforma digital em que os observadores de aves podem adicionar seus registros, sendo eles em forma de fotos ou áudios. Ferramentas como essa têm sido bastante utilizadas em estudos científicos, pois permitem melhorar o banco de dados dos pesquisadores de forma gratuita e colaborativa (aqui você pode acessar outros projetos desse tipo).

Mapa de registros de anfíbios cruzando as rodovias durante período reprodutivo de 2017A ciência cidadã não é restrita ao Brasil. Existem diversos grupos pelo mundo e muitos são voltados para a conservação de animais. Já mencionamos em outro artigo como os anfíbios são negligenciados em estudos avaliando os impactos das rodovias na fauna. Pensando nisso, uma rede de monitoramento de anfíbios foi criada nos Estados Unidos. Essa ideia surgiu porque em diversas áreas os anfíbios precisam cruzar as estradas para se reproduzir, o que acabava causando um aumento na mortalidade desses animais. O propósito desse programa é simples: nos períodos de reprodução, pessoas voluntariamente auxiliam os anfíbios – em geral salamandras – a atravessarem as estradas, tanto indivíduos adultos como jovens, e registram os locais onde os encontraram. 
 
Buscando saber se essa prática era efetiva com salamandras, pesquisadores avaliaram três parâmetros relacionados à sobrevivência de uma população de Ambystoma maculatum (salamandra-manchada) no nordeste dos Estados Unidos. Eles analisaram a variação desses parâmetros frente a diferentes estratégias do programa (número de voluntários, noites de voluntariado e idade das salamandras). O estudo mostrou que é possível reduzir a mortalidade causada pelas rodovias nessa população com o auxílio dos voluntários. Isso ocorreu com o trabalho de dois voluntários auxiliando os animais a atravessarem a estrada. Quando essa ação coincidiu com os momentos em que as salamandras jovens estavam cruzando a estrada e os voluntários espalhadas ao longo das estradas e não aglomeradas em um único ponto, essa redução mostrou-se ainda maior. 

É importante salientar a importância de verificar se as atividades pensadas para conservação das espécies estão sendo efetivas, como feito por esse grupo de pesquisadores. Vale ressaltar que o resultado desse estudo é específico para uma única população de salamandras e que a disponibilidade e a motivação de voluntários em projetos como esse são importantes enquanto outras medidas (como cercas e passagens de fauna) não são implementadas.  Entretanto, esse resultado não exclui a necessidade de mais estudos avaliando o impacto das rodovias nos anfíbios e da instalação de medidas mitigadoras para essa e outras espécies desse grupo. 

Salamandra-manchada: espécie utilizada no estudo

Postado por Dimas Marques às 14:30

Deixe seu comentário

comentários por Disqus

Artigos relacionados