Fauna News

Buscar

banner_20-08-2014.gif

Quinta-Feira, 07 DE Março DE 2019

Fauna e Estradas - Do que os animais estão morrendo?

Jaguatirica morta por atropelamento em 2015 em rodovia ao lado do Parque Nacional do Iguaçu (PR). Felino era monitorado por pesquisadores

Por Júlia Beduschi
Bióloga e mestranda na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), trabalhando junto ao Núcleo de Ecologia de Rodovias e Ferrovias (NERF) da mesma instituição
estradas@faunanews.com.br

Interessados em determinar as causas de mortalidade da fauna de vertebrados terrestres, um grupo de pesquisadores da universidade estadual de Nova York fez uma revisão bibliográfica compilando estudos de todo o mundo que usaram telemetria (equipamentos anexados ou ancorados nos animais que rastreiam seus movimentos) para determinar a causa-morte dos animais. 

O estudo nos mostra que as atividades humanas são responsáveis pela retirada de mais de um quarto de vertebrados terrestres do planeta. Foram levados em consideração apenas os impactos diretos e não os indiretos, como introdução de espécies exóticas, perda de habitat e poluição - para todos esses fatores, as rodovias são um importante vetor. Além disso, a porcentagem de animais atropelados vem aumentando com o tempo, o que pode ser resultado do crescimento da malha rodoviária no mundo todo.

Os pesquisadores buscaram por estudos de 1970 a 2018 referentes a todos os grupos taxonômicos de vertebrados. O resultado foi 1.114 trabalhos. Desses, foram documentadas 42.755 mortes com causas conhecidas, das quais 28% eram relativas a atividades humanas e 72% a causas naturais. A maior causa de mortalidade foi a predação com 55% dos animais, seguido pela caça legal com 17%. As outras causas, como atropelamento, caça ilegal, fome, doenças e acidentes, somaram menos de 10% do total da mortalidade.

De todos os grupos taxonômicos de vertebrados, o que apresentou maior morte por atropelamento foram os répteis adultos. Isso demonstra claramente a intenção do motorista em atropelar esses animais quando identificados na rodovia. O estudo também demonstrou que aves e mamíferos maiores são mais propensos a serem atropelados do que espécies menores ou indivíduos juvenis. Outra constatação foi a de que aves carnívoras são mais propensas a serem atropeladas do que aves onívoras. 

Os resultados encontrados pelos pesquisadores não parecem ser alarmantes em relação ao atropelamento de fauna. Mas considerando que a maioria dos estudos ocorre no Estados Unidos e que tem como foco animais de grande porte, principalmente mamíferos, podemos imaginar que a magnitude de mortalidade causada por ações antrópicas e principalmente pelas rodovias é muito maior do que a relatada - ainda mais quando falamos em animais pequenos. No Brasil, por exemplo, a maior parte da fauna é de pequeno porte e há poucos estudos que usam telemetria para determinar a causa-morte dos animais, apesar de a carnificina nas estradas brasileiras ser bem relatada.

Figura adaptada do artigo Hill, DeVault e Belant 2018, mostrando a proporção da mortalidade para cada causa avaliada

 

Postado por Dimas Marques às 16:00

Deixe seu comentário

comentários por Disqus

Artigos relacionados